quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

A cultura Star Wars

A patroa viu e gostou de O Império contra-ataca.

A saga espacial de George Lucas me pegou quando vi aprimeira imagem. Sim, isso entrega minha idade, mas eu vi o trailer na TV. Não sei explicar o que vi, nem lembro das imagens, mas senti uma magia no ar. Anos mais tarde vi o filme na TV. Fiquei decepcionado quando vi começar o episódio IV. "Que droga, ainda nem vi o primeiro". Mesmo sem saber que Lucas planejou contar a história em partes não cronológicas entendi que tinha visto um começo.
Foi o começo da minha paixão pela história dos Skywalker.

Com a patroa de vez em quando eu citava uma passagem de Star Wars e percebia que ela não entendia. Aí disse para ela ver o filme. Ela até viu o Episódio 1. Mas dormiu, deu pause... perdeu o timing e não viu muita graça.

Vi que era preciso ver os filmes na ordem que foram produzidos. Quase 1 ano depois eu peguei o primeiro filme, que é o quarto. Se você leu até aqui não preciso explicar porque o primeiro é o quarto. Ela gostou mais, mas não a motivou a ver todos.

Três anos depois, com muita insistência, nas suas férias, ela aceitou ver O Império contra-ataca. O segundo filme que é o quinto. Ela riu com C3PO, persebi sua suspensão nas cenas tensas e o melhor, se encantou com as lições sobre a Força.

Depois disso quis ver "A ameaça fantasma" e "O ataque dos clones" em sequencia. Só não viu porque recomendei segurar a vontade, pra não cansar.
Agora acredito no felizes para sempre.

terça-feira, 30 de novembro de 2010

Metas alcançáveis na COP16

A essa altura do debate ambiental considerar a energia nuclear uma saída para o aquecimento global é uma prova de que os governantes e gestores não entenderam ainda o que é meio ambiente. Essas pessoas pensam mesmo que o aquecimento do planeta é o único problema ambiental que temos a vencer?

A COP16 começou ontem sem grandes expectativas, mas boas possibilidades. Já que o embate político deve ser bem mais discreto e suave que na COP15, em Copenhague. Os grandes líderes não vão. Dilma estará ocupada tentando proteger do PMDB os ministérios que ainda restam para o PT. Sem grandes chefes e seus egos, os articuladores e técnicos poderão discutir diretamente e propor soluções que serão levadas aos seus países.

O desconhecimento da interligação ecológica vai continuar trazendo obras de forte impacto ambiental e de grande gasto energético. O debate precisa focar em otimizar energia e satisfazer as necessidades de qualidade de vida da população mundial. Para isso precisamos pensar em indicadores regionais de satisfação. Se a qualidade de vida continuar a ser medida pelo consumo não teremos saída para o aquecimento.

Na COP15 o Brasil levou uma proposta ousada de redução dos gases do efeito estufa. Disse que reduziria até 39% a emissão de gases até 2020. Bonito né? Mas como vai fazer?

Agora, sem arrogância de políticos, sem o clima de "quem dá mais", podemos falar de metas reais e de como alcança-las.

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Rádio Resenha

Mega FM

Identidade
Segundo eles mesmos "a MEGA 95 FM é a mais jovem emissora de Cuiabá, e chegou com uma postura diferenciada, apostando numa programação popular para atingir o maior e melhor público ouvinte".

O estilo "popular" é o predominante nas rádios de Mato Grosso. É esse estilo que a Mega FM segue com todas as ferramentas que as rádios populares oferecem.

Na denominação "popular" está implicita uma futilidade comum a essas rádios. A seleção musical toca exatamente o que as outras rádios também tocam, sertanejo pop e romântico na maior parte do tempo.

Muitas vinhetas diferentes marcam o nome da rádio.

Dinâmica
A programação tem locutores bem falantes, no estilo FM tagarela. Mesmo as vozes mais graves são usadas em tons mais altos para dar a sensação de empolgação. Esse é um recurso e uma linha de alto extímulo auditivo, justamente por isso é fácil cansar dessa conversa acelerada.

Há promoções em lojas patrocinadoras, sorteios e prêmios. Durante a manhã e a tarde de audição havia uma repórter na Fernando Correa e um no Centro de Cuiabá. A distribuição de links pela cidade dá muita vida à programação, mas fica vazio se somente vender produtos.

Os programas têm propostas diferentes, mas na prática soam bem parecidos.

Recursos
Sorteios e interação fazem parte da programação. Os eventos promovidos pela rádio dipõem ingressos e convites.
Há uma enquete em que o ouvinte escolhe a melhor música entre duas. Todos os votantes concorrem a sorteios.

Humor
Spots de humor marcam a programação. A cada hora tem um spot com "As aventuras de Zezinho Gazolina", uma espécie de Nerso da Capitinga. Não é muito original por ser o típico caipira de humor e muitas piadas são bem gastas.

Diferencial
A rádio não tem. É sertaneja na maior parte do tempo, mas sem vínculo com a música ou com a cultura rural. É pop mas só toca o sucesso mais óbvio, a música de novela. Diferente da Centro América FM, que busca um segmento do público que se pensa culto, a Mega quer competir com quem já tem um público grande. É concorrente direta da Gazeta FM.

Site
Permite ouvir online, tem fotos dos artistas que mais tocam e o Top 10 bem visível. Permite pedir música, tem telefone, torpedos enviados, equipe de locutores com fotos...
O site parece muito bom, não pude avaliar a resposta às mensagens enviadas, mas espero completar essa informação no espaço de comentários do blog.

Pecados
Como a maioria das rádio, não se preocupa em dar oportunidade a artistas novos a não ser que já sejam sucesso. Prestigiar artistas locais também não é uma preocupação.

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

Rádio Resenha

Antes de começar a resenha sobre a rádio de hoje apresento os motivos da série que inicia agora. Cresci ouvindo rádio FM. Gostava mais de uma música tocando no rádio que no toca discos. No rádio a música sempre pareceu mais viva, os locutores falam com a gente nos dando a sensação de estarmos conectados com a cidade.
No rádio sabemos qual é a música do momento, ouvimos as antigas, as notícias são mais rápidas que a TV ou o jornal. Eu não costumava ouvir rádio em Cuiabá, mas desde que anunciaram uma rádio nova vi que era preciso ouvir para contribuir.

Centro América FM

Proposta
A nova rádio me motivou a resenhar todas as rádios de Cuiabá. Comecei a ouvir a Centro América as 9 da manhã. Um programa chamado "Faixa Executiva" trazia sucessos estrangeiros (americanos em sua maioria) dos anos 80.

A Centro América FM parece pensada para um público adulto, com maior renda que os públicos jovens. Um público que procura o conforto do que já conhece. A rádio não traz novidades, apesar da publicidade televisiva anunciar algo de novo.

Na busca de um público adulto a rádio não se esforça em ser culta, ficando na obviedade de seleções musicais dos anos 80 e começo dos 90. O estilo musical, chamado de "música de elevador", ficou conhecido assim porque preenche o ambiente sem chamar muita atenção, como acontece com a música de elevador que serve para ocupar o silêncio entre desconhecidos em contato muito próximo.

Identidade
Como novidade "A Rádio" decepciona. Parece ter muita qualidade técnica e bom senso na produção de vinhetas (ainda são poucas). Para uma rádio que está buscando espaço a repetição e variedade de vinhetas é insuficiente para marcar sua identidade.

Dinâmica
Em 1 hora e meia tocaram 4 músicas nacionais (Skank, Tim, Maia, Lulu Santos e Engenheiros do Havaí) também antigas. Nesse período de tempo a locutora (de quem não ouvi o nome) disse a hora 4 vezes, e deu uma notícia curta sobre trânsito. Até o meio dia disse como estava o tempo e a umidade do ar mais duas vezes.

A tarde a programação musical segue como sendo único atrativo no programa chamado "Sequência de Classe", músicas mais recentes, mas com menos intervenções do locutor. Ouvi por 4 horas, a partir das 13 horas.

Notícias
Há curtos flashes em spots gravados chamados Centro América News. Ouvi um pela manhã sobre trânsito e um a tarde, sobre exportações do agronegócio. O curioso é que depois do informativo é anunciado que teremos mais notícias daqui a 1 hora. Leva mais tempo que isso para haver notícia.

Interação
Não parece ter espaço de interação. Durante a manhã a locutora deu o telefone da rádio duas vezes. À tarde não ouvi.

Site
O site permite ouvir a rádio com um pequeno delay. Apenas ouvir a rádio, nada mais que isso.
Sem contatos, sem programação, sem locutores. Há um falso link que diz: entre em contato com a radio.

Twitter
Existe mas não é usado. Sem notícias, sem interação seria melhor nem ter twitter.

Diferencial
Numa cidade como Cuiabá, onde a tradição de rádio é pequena, uma rádio que se propõe a inovar precisa buscar uma programação mais quente. Isto é, ter mais tempo de locução, interação, notícias específicas sobre Cuiabá e as músicas "do momento". Isso não significa que a Centro América FM deve tocar Luan Santana. Para cada estilo e público existem as músicas recentes e de sucesso, as músicas "do momento".

Programas de flashback fazem sucesso certo, mas uma programação inteira de flashback corre risco de cansar o ouvinte.

Anunciantes
Em todo esse tempo ouvi quatro anunciantes apenas, contando com a prefeitura de Cuiabá. A rádio está em caráter experimental ou realmente está tendo dificuldade com anunciantes?

Êxodo de ouvintes
Nesse momento em que nossos set lists ficaram imensos, copiar música acontece em bluetooth de celular para celular, uma programação exclusivamente musical não é suficiente para segurar a audiência de um público de classe média, adulto. Mesmo não sendo o público da ponta tecnológica é uma parcela já envolvida nas formas digitais de trocas de música.

Música não é suficiente para segurar a audiência porque hoje qualquer um tem, no seu computador, no IPod, MP3 player ou celular, mais músicas do que consegue ouvir. Uma rádio musical precisa se mostrar à frente dos seus ouvintes, com informações privilegiadas de mídia e com novidades musicais.

A empresa
O empreendimento do Grupo Zaran já ocupava o dial 99,1 da capital a algum tempo. O que foi inaugurada é uma programação com locutores já que a rádio transmitindo apenas música só garantia ao empresário Ueze Zahran o direito da consessão.

A forma das consessões são tão atreladas a figura do empresário ou político que o empresário já planeja abrir mais uma rádio em Sorriso e outra em Rondonópolis. Ele não considera a possibilidade de não ter consessão.

O empresário é dono da Copagaz, da fazenda Chaparral, do Haras Zahran em Mato Grosso do Sul, da TV Centro América e mais seis emissoras de TV em MT e MS.

sábado, 20 de novembro de 2010

Mulheres e mapas

Quando você pergunta: como chego na festa?
Um homem pega um papel, rabisca uma linhas e diz "vindo por aqui dobra essa rua e chega assim, por aqui é a terceira rua, número 370".

Uma mulher diz "sabe como faz pra chegar na casa de Marcinha? Antes de lá, depois da cafeteria você entra numa rua que tem uma casa de portão laranja. Anda mais pra frente e entra na terceira rua. A casa é amarela, com uma luminária de palha. Ao lado da casa tem uma casa com um cachorro preto grande que sempre late".

As curiosidades do percurso que a mulher ensinou aparecem aos poucos.

Você até sabe quem é Marcinha, mas não lembra onde é a casa.
A cafeteria está fechada na hora que você vai pra festa e fechada parece uma casa comum.
O portão laranja é branco, apenas tem uma faixa laranja no muro.
A luminária de palha é um detalhe que você só consegue ver depois de olhar o jardim, a porta, a campainha...
E o cachorro sempre late porque ela sempre chamava na casa errada até descobrir a luminária de palha.

Ainda assim é melhor você lembrar de todos os detalhes que ela lhe disse que pedir pra ela desenhar o caminho, você não vai entender.

Como seres tão inteligentes e habilidosas com linguagens, administração e leitura de pensamentos conseguem ser tão incapazes de desenhar um mapa compreensível?


Muitas mulheres concordam. Olha essas duas.

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Família real

Que coisa atrasada! Em 2010 estamos vendo noticiários sobre o casamento do príncipe da Inglaterra. A notícia ainda tem o tom de surpresa: com uma plebéia (ui!).
Cerimônia de casamento já não é uma coisa muito divertida nem importante para os anos que seguem. Serve muito mais para legalizar o sexo perante as instituições que para a felicidade do casal.
Que critério a nossa imprensa usa para cobrir as notícias da família real britânica? A Espanha tem família real, a Suécia, Dinamarca, Holanda, Bélgica... Por que cobrimos as notícias da Inglaterra?
Essa mania de colônia vem do tempo da revolução industrial e se manteve. O Brasil limpava as botas da Inglaterra e a imprensa continua limpando. A importância dada pela imprensa à família real britânica nos deixa numa condição de súditos eternos.
Agora vamos novamente, 30 anos depois, assistir a cobertura supervalorizada do casamento dos donos do povo inglês. Cacilda! Monarquia a essa altura do campeonato é muito atraso da Europa.

Haha, seus pobres! Suas TVs de terceiro mundo pagarão caro para me ver casar e vocês darão audiência e lucro certo para elas.

sexta-feira, 1 de outubro de 2010

Casa vazia

Hoje o caminhão levou a mudança.
Eu tinha falado que ia desmontar o guarda-roupa, mas acabou minha energia física. Dormi no sofá antes do debate.
Hoje o caminhão levou tudo que é meu, menos o colchonete e uma mala. Vou ficar aqui mais dois dias. Acampado no que foi a minha casa.

quarta-feira, 29 de setembro de 2010

Encaixotando

Hoje comecei a encaixotar minha mudança.
Comecei numa manhã de sol e terminei numa tarde chuvosa melancólica. Não terminei, somente parei, cansado.
Essa chuva parece o fim definitivo da seca. Diferente de outras chuvas que já cairam, essa chegou sem estardalhaço. Começou a pingar sem ventania. A chuva foi aumentando aos poucos e esfriando a tarde.
Já estou de mudança. Enquanto empacoto livros, documentos e CDs vou me desligando dessa casa em que morei por dois anos. Dois anos exatos no dia primeiro de outubro.
A parte mais difícil da mudança é encaixotar os papeis. Cada folha avulsa precisa ser lida, conferida e avaliada a validade. Cartas não perdem a validade. Mas nessa lista de papelinhos encontrei até notas de supermercado de janeiro de 2008.

Amanhã desmonto o guarda-roupa.

sábado, 11 de setembro de 2010

Ler e ouvir

Tem tanta coisa nessa vida
E eu só tenho essa vida!
Eu só nessa vida

A vida toda é só isso.
Dá pra muito pouco
Fazer nessa vida.

Saiu um poeminha. Eu, sendo poeta menor.

sexta-feira, 3 de setembro de 2010

Chewie e Han

Em muito tempo, em galáxias muito distantes...
... eu não via uma coisa tão fofinha assim!

Continuamos caindo nessa

O Brasil todo entrou na onda da lambada. Quando eu digo o Brasil todo você pode até dizer "eu não entrei nessa". Mas certamente foi numa festinha que tocou lambada. Sua irmã dançou lambada, sua turma de escola apresentou lambada no final do ano, namorou com alguém que foi dançarina de lambada. Se a lambada nem chegou perto de você é porque você nem era nascido.
Aí ainda corre o risco de ter sido concebido depois de uma noite de lambada.
O Brasil caiu nessaNão muito tempo depois vieram os axés eróticos. "Dança da bundinha", "boquinha da garrafa", "ralando o tchan"... Ok, já era preciso ser um pouco mais lesado pra cair nessa. Mas a maior parte do Brasil caiu. Festinhas infantis tinham O Tchan como tema e as crianças usavam roupas assim!
Ao mesmo tempo, até antes do "Gera Samba é o Tchan (nojento!)", existiam os grupos de pagode. O Brasil não passava por uma boa fase econômica e a justificativa de gerar emprego com pouco recurso e talento pegou. Eram centenas de grupos, cada bairro, de cada cidade, tinha mais de um. O país era esperto, maroto e... romântico!*
*leia com pausas de locutor de FM da madrugada.

Tudo isso passou. Não completamente, mas não são mais a febre do Brasil. O que me deixa intrigado é como essas outras ciladas culturais se mantém até hoje.
Esses são os porta-vozes de tudo isso:

Já é sábado em Tuvalu

Mas o sábado deles não me faz inveja já que estarei na Chapada dos Guimarães no meu sábado.

A postagem da sexta-feira tem sido a única garantida no Geofilia. Mas isso vai mudar.

terça-feira, 31 de agosto de 2010

Reforma política


Você já leu aqui sobre o fim dos cargos do legislativo no post sobre Legislativo Direto. Depois dessa reforma implantada vamos à outra, menos impactante, mas igualmente importante.

A eleição a cada dois anos nos toma tempo de ações administrativas, entorpece o cidadão para ver os problemas reais. Podemos ter eleições a cada 5 anos, sem reeleição.

Dessa forma, a cada ano múltiplo de 5 (2015, 2020, 2025) teríamos eleição para prefeito, governador, presidente e talvês para 2 senadores (o senado pode fazer sentido com novas funções). É apenas com esses cargos que precisamos nos preocupar e vigiar.

sexta-feira, 27 de agosto de 2010

Já é sábado nas ilhas Fiji

Não é uma ilha do Pacífico mas o Barrancos Bar pode servir pra refrescar e comemorar um dia com menos fumaça.

Conheça as ilhas do Pacífico enquanto existem, porque os GEE emitidos pelo Brasil irão acelerar o degelo.

Sófter Livre

Como diz Gilberto Gil, o Sófter Livre é uma revolução cultural. A cultura aqui está nos meios de produção, não somente na arte, como o censo comum está acostumado pensar. O software livre aumenta seu público usuário à medida que aperfeiçoam-se suas ferramentas e sua usabilidade.

Mas tem um quê ideológico aí. Na verdade tem ideologia em tudo, recentemente as pessoas começaram a acusar um oponente de ideológico para desqualificar seus argumentos. Pensando ideologicamente você não enxerga os fatos como são, mas filtrados pela lente ideológica.

O que tem de ideológico no software livre?

Imagine um bando de gente trabalhando junto, sem chefe e sem salário. Como podem trabalhar juntos? O que dá a liga? O desafio.

Agora imagine que esse bando de gente trabalha junto mas à distância. Estão desenvolvendo ferramentas, mudando linhas de programação, formas de botões, as vezes, só deixando mais bonitinho. Se você abrir a ficha do programa vai ver que alguns tem dezenas de programadores.

O mesmo problema que o Quadrisônico mostrou com Maurício de Souza acontece no mundo dos programadores. Quem recebem os créditos são as empresas. Quando você reporta um problema esse bug será convertido numa nova versão, sem o problema que você ajudou a identificar. Mas você terá que pagar pela nova versão.

Eu uso Linux por isso, porque tem uma lógica de produção generosa e colaborativa. Porque é de graça e é legal (na lei). Porque dissemino essa cultura de conhecimento livre.

Numa busca rápida você encontra uma dúzia de tutoriais e mais uma dúzia de fóruns sobre soluções.

Eu uso ideologicamente. Já Rui Ogawa, samurai em TI livre, tem seu slogan pronto: "Por que Linux? Porque funciona!" Nessa ideia equivocada de ideologia, quando alguém é ecologista é ideológico, quando é "desenvolvimentista" é neutro?


Ubuntu e suas janelas gelatinosas, 4 áreas de trabalho em cubo

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

O dia mais triste em Mato Grosso


Foto de Gustavo Nascimento


Trabalho numa organização que monitora o desmatamento e propõe alternativas a esse mal. Estou sempre trabalhando com dados para colaborar com o objetivo, mas hoje, com o céu mais cinza que já vi na vida, o que sinto é mais forte que os números.

O cinza é de fumaça, esconde o sol e deixa o ar, que já é seco nessa época, mais pesado e desagradável. As queimadas são uma vergonha, são reflexo do desrespeito à natureza e à coletividade. São mostras de subdesenvolvimento e ignorância.

Hoje o sol mal tocou o chão. Laranja, fraco, aquece o ar mas não queima a pele. Dia triste.

O Brasil, em plena discussão sobre aquecimento global, aumenta as emissões de gases do efeito estufa. Os deputados governistas apoiam as mudanças no Código Florestal em defesa das oligarquias rurais. O chefe da insanidade é do Partido Comunista e defende o direito dos latifundiários de destruir mais do que já destroem.

Incentivados pela federação de agricultura do estado os proprietários rurais se viram à vontade para continuar derrubando o pouco que ainda restava nas suas terras. Afinal de contas o novo código permite. Nem está aprovado e já agem como se estivessem dentro da lei.

O desmatamento com fogo é o mais covarde, mata animais rápidos e lentos, árvores adultas e jovens. Destrói casas, cercas, mata o gado. É um inferno. O inferno do egoísmo, do foda-se.

A lua cheia de hoje é a lua mais triste que já vi na vida.

sexta-feira, 20 de agosto de 2010

Já é sábado nas ilhas Marianas

O planeta tem todas as horas.
Ainda é minha hora de editar textos infinitos.
Gabriela Magalhães ainda está atendendo clientes esquisitos.
Giselle Marques está dando aula para 30 Calvins.
Bruno Castro está medindo carbono acumulado no meio da floresta.

Ninguém que eu conheça está no sábado ainda, nem nas ilhas Marianas.

segunda-feira, 16 de agosto de 2010

Minha moto invisível

Sonhei essa noite que pilotava uma moto invisível. Não era somente invisível, era uma moto movida a pensamento. Era preciso acreditar nela para ela existir.

As vezes sonho voando. Quando vôo dou razantes. Flutuo próximo aos telhados e preciso dar empulso para me deslocar. Voar nos sonhos é parecido com nadar, tem um esforço físico e alguma habilidade corporal. Mas pra voar nos sonhos também tem que ter fé. Não fé no místico, fé no seu poder de voar.

Nesse sonho da moto eu estava com muito poder, muito confiante. Tanto que sobrava força na moto pra levar mais uma pessoa. Dei carona a um cara (não sei quem era) por uns dois quilômetros.

Essa viagem tem uma inspiração de infância.
















O Urso do Cabelo Duro

quarta-feira, 11 de agosto de 2010

A internet da patroa

No fim de semana passado na casa da minha esposa vi que a internet dela é muito melhor do que a minha.

Pequena pausa de reflexão.
Duas coisas estranhas na mesma frase: "minha esposa" e a casa dela não é a minha casa. Eu não acreditaria nisso se em 2005 uma cigana me dissesse que 2010 seria assim.

Continuando.
Ela consegue baixar filmes e conversar com webcam. Eu tenho que sair do Gmail pra ver um vídeo no Youtube! E depois de muita espera.
Concluí que eu não tenho internet, eu tenho um canal de sms.

sexta-feira, 6 de agosto de 2010

Debate morno

Um resumão do primeiro debate dos presidenciáveis de 2010. Quem cantou a bola foi Diguilin:

Serra - se mostrou direitista careta e manipulador da verdade. Tem dados e conhecimento do governo, mas é a favor da concentração de renda claramente.
Marina - buscando valorizar as propostas e o debate ético, ficou "Poliana" como disse Plínio. Sem apontar fraquezas dos adversários não conseguiu destaque.
Dilma - nervosa, sem habilidade oral, desenvolvimentista no modelo antigo. Disse que a diversidade é aceitável, inclusive do tamanho das propriedades. Para ela diversidade é o mesmo que desigualdade.
Plínio - o candidato que apareceu melhor. Principalmente porque não aparecia nem na mídia nem nas conversas de rua como opção. Aproveitou bem batendo em todos, mas se mostrou também comunistinha simplista culpando o capitalismo por tudo, até pelos danos ambientais.

Vale lembrar que não é por ser de esquerda que alguém será mais ecologicamente correto. O governo Fernando Henrique criou mais Terras Indígenas que Lula. O pico de desmatamento foi no governo Lula. Os soviéticos causaram desastres ambientais de grandes proporções na busca do desenvolvimento sem limite. Hugo Chaves extimula o uso do petróleo na Venezuela.

Enquanto isso, Schwarzenegger, governador da Califórnia pelo Partido Republicano (o mais à direira), criou mecanismos de redução de emissões de carbono e quer investir na conservação de florestas no Brasil.

O meio ambiente é emergencial como a saúde ou a educação. Pensar em cuidar de um primeiro que do outro vai nos fazer perder biodiversidade pra sempre.

Pro debate ficar bom precisam ser mais agressivos.

sexta-feira, 30 de julho de 2010

Já é sábado na ilha Efate

E ainda tenho uma hora de trabalho pela frente.

segunda-feira, 26 de julho de 2010

Uma religião pra simplificar

Como combater as religiões não tem dado certo vou tentar criar uma religião mix. Allan Kardec fez isso e teve bons resultados.

Antes de dizer como será esse mix deixe-me dizer porque o desejo de combater religiões: opressão feminina, contentamento com a vontade de Deus (carma, determinismo), guerras santas, mutilação, preconceito, xenofobia. Pronto, já disse.

Então vamos à nova religião. Ela busca agradar alguns conceitos bem aceitos e dar uma modernizada na imagem de Deus. Então vamos lá.
1 - Deus é único, onisciente, onipresente e amoroso. Não é ele nem ela, é um ser parecido com a humanidade, mas não é humano. É Deus e pronto.

2 - Deus criou o Big Bang, um sistema evolutivo genial. Os planetas evoluem, os seres vivos evoluem e os seres humanos evoluem. A evolução é uma criação divina, mas nada é predeterminado.

3 - O amor, a compreensão e o perdão são qualidades divinas que devemos buscar.

4 - A vida é eterna, mas o paraíso não. O paraíso é o spa das almas. Depois da morte cada alma vai até uma grande assembleia trocar informações sobre o aprendizado na Terra. Depois dessas reflexões cada um reencarna novamente.

5 - Sim, Deus mandou iluminados para a Terra. Mandou várias vezes e eles reencarnam. Vieram Buda, Davi, Jesus, Mohamed, Ghandi. A cada vez a ideia vem com informações a mais porque a humanidade tem ficado mais preparada para ouvir.

6 - A humanidade desenvolveu várias culturas e todas as suas expressões devem ser respeitadas. O conhecimento humano é fruto da evolução.

7 - É proibido por Deus:
a) Deixar o outro em qualquer situação de desvantagem.
b) Causar dor ou sofrimento.
c) Causar dano a qualquer ser vivo a não que seja para própria sobrevivência.
d) Abalar o equilíbrio da Terra, nos pequenos espaços (rios, bosques) ou nos grandes (oceanos, atmosfera, solo).
Pronto, acabou a sessão "mandamentos".

8 - O sentido da vida
Vivemos na Terra para aprender. Aprender e enriquecer a nossa alma imortal. Cada passagem dessas almas pela Terra merece ser bem vivida, porque vivendo na miséria só nos preocupamos em sobreviver e aprendemos pouco. Cada ser precisa de condições de aprender. O conforto é uma condição necessária para o aprendizado e vivência plena.

Acabou aí. Não é o que acredito, mas acho que com uma boa campanha publicitária podemos substituir religiões cheias de dogmas, preconceitos e ódios históricos pelo mix.

Qualquer outra questão não está mais no campo da religião. Vamos buscar outras respostas.

domingo, 25 de julho de 2010

O quarto do Cara

Um dia me vi na casa de Chico Science. Não fui pra ver o cara. Eu estava com uma pessoa que o conhecia e foi na casa dele.

O recifense é descrente de ídolos locais. Tanto que quase todos os artistas que faziam sucesso até Chico conseguiram primeiro fora do estado e só então foram reconhecidos em Pernambuco.

Naquele momento Chico Science e Nação Zumbi já estavam no segundo disco, o Afrociberdelia. O primeiro disco, Da Lama ao Caos já tinha feito a cidade pular e reconhecer a banda como astros. O segundo disco deu respeito à banda, arranjos, samples, trouxe muitos elementos novos. Resumindo, eu já admirava muito.

Sentado na sala, comecei a olhar discos africanos, jazz e eletrônicos. A irmã dele estava lá, ele não. Tinha uma foto de Chico com David Byrne num bar em Nova York. Vendo meu interesse a irmã perguntou se eu queria olhar mais discos no quarto de Chico. "Pode"?

No quarto havia muitas fotos das viagens da banda. Já havia acontecido o show no Central Park e tinha fotos de si mesmo tiradas com o braço estendido no parcão de NY. Muitas fitas de vídeo e uma no videocassete com Beastie Boys. Sim, vídeocassete. Dei play. Vi clips que nunca mais vi de novo.

Havia poesias curtas escritas por ele, parecidas com haikai. Podiam ser idéias pra novas composições, falavam de amor de forma abstrata. Tentei lembrar pra ver se encontraria um verso daquele num próximo disco. Não lembro.

Não sei quanto tempo fiquei lá, mas bisbilhotei tudo que já estava visível. Não era só ele, era o mundo novo que ele estava descobrindo e levando a gente a descobrir. Rap francês, rock japonês, eletrônicos da alemanha... Chico Science estava no meio de um tornado de novidades. A Nação Zumbi era uma dessas novidades.

Na saída da casa Chico chegou. "Opa, já tão saindo?"
"Tamos sim, ta chegando?" Ele "tô, pra sair de novo", com a sua maloqueiragem característica.

Lembrei dessa cena de I wanna hold your hand (Febre de juventude).

quarta-feira, 21 de julho de 2010

Marx e a Bíblia

Vi uma semelhança entre Marx e seu maior rival (não é o capitalismo), o cristianismo. A Bíblia diz que o que está escrito não pode ser mudado nem questionado e qualquer um que o fizer está a mando do diabo.
Marx diz que as críticas ao modelo comunista são feitas por burgueses em defesa do status quo do capitalismo.

Dessa forma, ambas as ideologias criaram campos de força que são o contra-ataque automático. Simples e eficiente.

quinta-feira, 17 de junho de 2010

Democracia sem vereadores, deputados e senadores

Faço parte de um debate que cresce no Brasil: é a Democracia Direta, ou Legislativo Direto. Várias comunidades debatem como seria o funcionamento de municípios, estados e do país sem os cargos do legislativo.

Isso mesmo, sem vereadores, deputados e senadores.
Nossa vigilância política se resumiria aos três cargos do executivo.

O movimento cresce por vias digitais. São eleitores atentos ao que acontece nos três poderes. A maioria é de jovens que cresceram num país onde as ideologias se enfraqueceram e os partidos não satisfazem plenamente a ninguém.

Acreditamos que mudanças nos procedimentos das casas legislativas ou a vigilância do cidadão sobre os atos do legislativo são preocupações que escondem o real problema do nosso sistema democrático: o legislativo representativo é obsoleto e caro.

Ao contrário do que pode parecer o novo sistema torna nossa república muito mais democrática: do povo para o povo. É ao povo que o executivo deve obediência, não a uma classe de nobres privilegiados.

Esta é uma construção coletiva. Eu iniciei, mas há colaboração de outros. Leiam com atenção e comentem se possível.


Democracia Direta

Legislativo Direto

Apresentação
A Democracia Direta aqui defendida propõe a supressão dos cargos legislativos porém com a manutenção dos três poderes, com fortalecimento do poder legislativo.


Objetivos
Propor o funcionamento prático da DD.
Contribuir com o debate sobre DD.
Trazer reflexão sobre a eficiência do nosso sistema democrático.


Justificativa
Modelo atual
De acordo com Charles Montesquieu o poder real absolutista do século XVI não fazia sentido. Por isso propôs o revolucionário conceito de três poderes: Legislativo, Executivo, e Judiciário. O Legislativo, dentro da lógica de Montesquieu seria o primeiro poder, o mais importante porque dele nasce o “Espírito das Leis”, nome de sua obra mais famosa.

Legislar é criar, aprimorar leis. Essa é a única função de fato de senadores, deputados federais, deputados estaduais e vereadores. Deveriam ser pessoas do povo, junto à classe política para dizer, através das leis, quais são as aspirações da sociedade a que pertencem.

Ao invés disso, a prática das legislaturas em todo o Brasil é de negociação e barganha com o executivo pedindo favorecimentos. Os legisladores aproveitam-se da desinformação política do povo para criar uma confusão que eles mesmos já não entendem. Apresentam-se como sub-prefeitos, sub-governadores ou até sub-presidentes de currais eleitorais. Suas plataformas de mandato são apresentadas como planos de governo. Legisladores prometem escolas, ambulâncias, asfalto, quando na verdade não têm essa função. Construir benfeitorias, realizar planos de desenvolvimento são funções do executivo, mas o executivo se deixa levar pelas negociações, já que interessa-se pelos votos dos currais eleitorais de cada legislador.

Quase nunca vemos legisladores votando leis. Isso é o que menos fazem. Legisladores pedem orçamento, pedem funcionários, pedem cargos, pedem “moção de aplauso”. Para que serve uma moção de aplauso?

Manutenção do Legislativo
O poder Legislativo é uma grande idéia. Montesquieu propunha que fossem escolhidos representantes porque não seria possível legislar com todo o povo da França. O legislativo deve continuar porque é a fonte das leis, é a legitimação dos representantes da população, mas não mais de forma indireta. O legislativo da forma atual é caro e ineficiente. Aproximadamente trezentos milhões de reais (R$ 300.000.000,00) são gastos por mês somente com salários de vereadores no Brasil. Mais de nove milhões com salários de deputados estaduais e mais seis milhões e meio somente com salários dos federais.

O custo de manutenção dos apadrinhados dos legisladores e de seus gabinetes pode multiplicar os gastos por dez.Apesar disso as casas legislativas não precisam acabar com a implantação da Democracia Direta. Funcionários concursados podem continuar trabalhando pela democracia em seus espaços. Essas casas serão um apoio a manutenção do sistema de três poderes.


Metodologia
Democracia Direta plena.

Cidadão Legislador
Cada legislador poderá votar em leis nos três níves de poder, seja qual for o tema. As perguntas deverão ser publicadas com antecedência de 72 horas em jornais de grande circulação de acordo com o nível de abrangência da proposta (municipal, estadual, federal). O público mais envolvido com cada proposta fará naturalmente um esforço maior em conhecer as alterações da lei e se fazer presente na votação. Com isso teremos qualidade da opinião do legislador.

A pergunta
Como nas casas legislativas há um relator de propostas é preciso que na DD também existam relatores que sintetizem a proposta de forma simples e objetiva. Cada proposta é uma pergunta.“Você concorda que a lei número 9.612 de 12 de junho de 1992 cujo texto afirma:

Serão pintados de azul todos os que ofenderem a bandeira do estado de Mato Grosso. Seja alterada para Serão pintados de laranja todos aqueles que ofenderem a bandeira de Mato Grosso em dias de domingo ?”

Para que se elaborem as perguntas podemos contar com duas propostas inicialmente. A primeira considera que o TRE é responsável por colher propostas dos cidadãos legisladores e sintetizá-las em propostas objetivas.

A segunda considera que no município o prefeito é o relator das propostas. Mas assume o risco de ter a continuidade do seu mandato à disposição de consulta popular se três vezes seguidas apresentar propostas rejeitadas.

Em ambas as possibilidades cada cidadão pode votar em três opções: “sim”, “não” e “não concordo com a elaboração desta consulta na forma descrita”. Se a última resposta obtiver 50% dos votos uma nova proposta ou nova redação deve ser apresentada.

Forma de votação
A tecnologia é o que possibilita que a quantidade de legisladores se multiplique na forma da DD. Com nossas opiniões enviadas de forma instantânea o Estado pode fazer a consulta ao povo diretamente. Há algumas possibilidades de envio dessa opinião:

Caixas eletrônicos legisladores
Parecidos com os bancos, as urnas de legisladores seriam dispostas nos TREs, câmaras de vereadores, casas de cidadania e prefeituras. Diferente do modelo atual de voto o legislador não precisaria ir a uma sessão eleitoral específica, poderá votar onde seja mais conveniente, desde que munido do seu cartão legislador e senha.

Votação via celular
O método é bem mais acessível, mas carece de estudos que o deixe mais seguro. A pergunta será enviada para o celular do legislador que terá até uma hora para responder.

Em ambas as possibilidades os TREs e casas legislativas irão dispor os resultados instantaneamente nos respectivos sites.

domingo, 13 de junho de 2010

Fora do padrão

Escolhi um toque de celular bem normal, com cara de toque de telefone mesmo. O objetivo era ser discreto e não ser surpreendido com uma rumba no meio de uma conversa.

Mas as pessoas usam toques de celular tão esquisitos que o meu chama atenção.

sábado, 12 de junho de 2010

Dia dos namorados

Solitário, eu reclamava do dia dos namorados. A data é uma tortura pra quem está sozinho. Você já sabe que está só, mas não pensa nisso o tempo todo. Não em dias normais.

A véspera do dia de Santo Antônio (o santo que atende os pedidos de quem casar) é o dia escolhido para lembrar o dia dos namorados. Mídia e comércio festejam a insatisfação do ser um só e investem no ser duplo.

Um dia, deitado em baixo de uma árvore, lendo um livro que me levou a refletir o pouco que sei do mundo, pensei: a felicidade a dois é um produto da indústria de consumo. É possível ser feliz sem ser casal, somente com sexo freqüente.

A satisfação natural mútua de homens e mulheres não tem nada a ver conjuge e filhos. Mas nossa cultura nos levou a entender assim. Eu ja tinha excluído o dia dos namorados como data comemorável. Da mesma forma que excluí o "parabéns pra você" dos meus aniversários.

Mas aí vem o destino e traz a data pra minha vida. O dia 12 é a data do primeiro beijo com a minha companheira, minha companhia. Sem planejar aconteceu assim. Agora não tem como não lembrar.

O destino pode aprontar com a gente de novo e nos tornar solteiros, e se acontecer outro romance depois dela não será como esse amor. Mas sendo assim como é, viva o 12 de junho!

sexta-feira, 11 de junho de 2010

Vontade de dizer nada

Criei um blog para dar opinião. Para quem?
Até tem gente lendo, tudo amigo, mas criei um blog pra mim mesmo.

Criei um blog, inventei uma palavra pra batizá-lo, tudo a toa. A necessidade de falar as vezes some. É como numa festa onde eu não to a fim de dançar. Acontece.

Falei do espaço, de política, fiquei em crise com o perfil do blog. A crise é não ter perfil e pensar que também sou assim. Eu sou muitos assuntos, com muitas opiniões, mesmo dos assuntos que eu domino pouco.

Porque o mundo é vasto
Vasto mundo
Se eu me chamasse Raimundo
Seria uma rima
Não uma solução

quarta-feira, 2 de junho de 2010

Não há espaço para sutileza

Resenha tardia - Tudo novo de novo

A Globo tem uma dúzia de bons programas, todos em horários esquisitos. Do Globo Universidade ao Som Brasil. Em 2009 a Globo exibiu a série Tudo Novo de Novo, uma história simples de duas pessoas separadas, com filhos, que se apaixonam.

Qual a diferença dessa série e uma novela das 8h? Tudo era diferente.
Para começar, as pessoas em novelas estendem a mão e pegam um taxi. Em Tudo Novo de Novo pegar um taxi depende de quanto dinheiro se tem no bolso, se o pai do filho pagou a pensão na hora certa, do lugar da cidade onde estão. Na série não havia vilão, havia situações das quais os personagens são vítimas.

Cada um com seus pacotes (filhos, ex-maridos e ex-mulher, pai, mãe, contas, irmã). Com cada pessoa desse pacote o novo amor precisa estabelecer uma relação. Quando aceitamos uma pessoa com quem partilhar a vida todo o pacote está incluído.

Tudo é tão complicado, mas os personagens topam começar tudo de novo, com uma pessoa nova.



A música de Paulinho Moska era um arremate delicado numa história cheia de sutilezas.

Obs: quem fez o upload desse vídeo incluiu uma propaganda de um disco de pagode. Desconsidere.

segunda-feira, 31 de maio de 2010

Insignificância

Inspirados pela Lua cheia, eu e a patroa conversamos sobre o espaço. The final frontier. Depois de quase duas horas de conversa e muitas perguntas ela me falou: você nunca tinha me falado dessas coisas.

Acho o espaço fascinante. Desde bem pequeno as expedições espaciais me interessavam e as obras de ficção também. Mesmo que não fizesse sentido dentro da física, como em Star Wars. Mas durante toda minha aventura de procurar um par esse tema não era bem vindo.

Percebi que eu havia guardado o tema para mim. Leio as notícias sobre descobertas recentes, sobre viagens mas não comento. O conhecimento que me parece essencial para nos compreendermos é desprezado por quase a totalidade da população.

Para ter-se uma ideia do quão importante é o conhecimento espacial basta pensar no efeito causado na humanidade ao ver a foto da Terra. Não foi só Caetano Veloso (em sua música Terra) que viu isso. O movimento ambientalista/ecologista era restrito a cientistas até então. Vendo a foto da nossa casa o sentimento de pertencimento a ela aflorou. Nos tornamos mais conscientes da fragilidade e da raridade que é o nosso pálido ponto azul.

Surgiu uma pergunta: e Deus? Deus é outra história. Não devemos atrapalhar a nossa observação dos fatos somente por que os fatos são diferentes do que aprendemos nas religiões. Para muitas pessoas as informações sobre o espaço são tão distantes que elas se recusam a acreditar em dados científicos. Não acreditam no diâmetro da Via Láctea, mas acreditam no tamanho da arca de Noé.

Depois de muito tempo de conversa ela chegou à conclusão natural: somos tão insignificantes e frágeis que é absurdo a gente se preocupar com as coisas do nosso dia a dia. Esse é mais um conceito essencial para a humanidade. Precisamos saber da nossa insignificância, só assim seremos menos arrogantes. Nossa pequenez no tempo e no espaço, somos muito recentes e seremos muito breves. Como podemos desenvolver esse sentimento de humildade universal? Pode haver uma disciplina chamada Cosmos no nosso ensino básico.

sexta-feira, 28 de maio de 2010

Novo mundo, ainda em reforma

Nossa América é mesmo o novo mundo. Os conquistadores nem imaginavam que é tão novinho. Encontraram uma cadeia de montanhas recém inaugurada, um rio gigantesco que mudou de lado e uma floresta plantada.

Não sabia?

Pois é, os Andes são muito recentes na geologia da Terra. Tão recente que o rio Amazonas corria do continente para o Oceano Pacífico, quando o paredão subiu o rio formou um mar interno e depois estourou pro Atlântico.

A nossa floresta amazônica foi cuidadosamente plantada por dezenas de povos agrofloresteiros. Uma agricultura tão esperta que continuou se reproduzindo mesmo sem manutenção.

A muralha dos Andes ainda está subindo, estamos retirando a floresta para plantar pastagem. Um vulcão que nunca parou de funcionar foi ligado numa potência maior. Ainda estamos em reforma.

Pacaya

quarta-feira, 26 de maio de 2010

A vida do “camelô de filmes de arte”

Confira aqui.

A excelente abordagem de Marcio Padrão sobre uma cultura marginal (em dois sentidos). "A lei é justa, mas meu entretenimento tem prioridade".

terça-feira, 25 de maio de 2010

O menino na janela


Soichi Noguchi cresceu querendo ser astronauta. Estudou pra isso, sonhou com isso. Ontem ele tirou essa foto da janela do escritório dele.

segunda-feira, 24 de maio de 2010

Chapada dos Guimarães

Quem mora em Cuiabá sabe o que é viver acima dos 35° durante quase o ano todo. Seus habitantes são uma pequena minoria que também sabe o que são 45°. Apesar disso a capital de Mato Grosso consegue ser um lugar agradável. Pessoas simpáticas, amistosas e com paisagens vizinhas de encantar turistas.

Uma dessas paisagens é a Chapada dos Guimarães. Eu só a conhecia de uma música de Tetê Espíndola: "há um chuvisco na Chapada..." Sabia pouco sobre ela até mudar para Mato Grosso. É um lugar bonito, com muita gente que busca uma vida diferente, mais consciente dos processos da vida... Eu acho.

Fica bem alí, a 60km de Cuiabá. É como ir a Porto de Galinhas para recifenses ou ir a Itaparica para soteropolitanos. Temperatura amena (as vezes fria mesmo) e sentimentos de bem estar. Passei o fim de semana lá. Festinha com roda de fogueira, gente interessante conversando... Acabou cedo, nem precisava esticar, todos satisfeitos.


terça-feira, 18 de maio de 2010

Geopolítica I


No fim de semana passado presenciamos um fenomenal acordo entre Brasil, Turquia e Irã. Um acordo que satisfaz a ONU e, teoricamente, deveria satisfazer os Estadosunidos.

Recapitulando
Ninguém gostava do jeito dos Estadusunidos interferirem na política mundial (Vietnã década de 60, Irã x Iraque, 70; Honduras 80, Kwait 90). Na última década eles levaram um dedo no olho (11 de setembro) e declararam guerra ao terror. Isso significa o que? Que iriam atacar o Eta, da Espanha? O Ira, da Irlanda? O cartel de Medelim na Colômbia?
Não, invadiram o Afeganistão, que desde que a Russia se desmanchou ficou sem "dono". Sem dono mas com petróleo. O mundo todo tava apoiando, tava levando vantagem. Aí os yankees inventaram de invadir o Iraque e conseguiram. Com apoio da Europa toda.

Vale lembrar que estava na presidência dos Estadusunidos o presidente mais estúpido que já pisou na ONU: Bush Jr.

Desde lá, vendo que o menino mimado conseguiu tudo que queria ao chegar à presidência, o país começou a implicar com o Irã. Implicou também com o Brasil que está enriquecendo urânio com tecnologias próprias. Mas o Brasil disse que era implicância boba, que cumpria regras, sempre cumpriu e deixassem a gente trabalhar em paz.

Mas o Irã disse que as inspeções eram invasivas, que os Estadosunidos estavam mais uma vez procurando desculpa para interferir em países livres e que eram manifestações demoníacas. Isso somado às limitações de liberdade feminina, de imprensa, à guerra Irã x Iraque... pronto, estava se montando a invasão ao Irã. Tudo ia se repetir.

Hugo Chaves
O malquisto presidente venezuelano (malquisto pela mídia da América Latina) já tinha apontado o caminho. O mundo Islâmico e a América Latina precisavam se unir porque são ameaçados constantemente pelo império do século XX.

Mas o Chaves estava com menos moral no mundo da diplomacia do que reprise do Chaves (El Chavo). Enquanto isso o Brasil e Lula cresciam como referência em energia renovável e soluções econômicas que desprezavam as recomendações do FMI. O Brasil estava encontrando o caminho sozinho.

Alternativa
No meio de ameaças externas e conflitos internos o baixinho do Armadinejad encontrou a mão amiga de Lula. Simplificando, Lula disse: converse com a gente que se houver diálogo já suspendemos hostilidades. A conversa foi boa e muito do que o Irã tinha se recusado a cumprir decidiu aceitar.

O Irã não estava mais sob as asas da Russia, estava arisco com os Estadusunidos e botando lenha na fogueira com Israel. Agora que não ofende a ninguém mais os argumentos de invasão do Irã não colam mais. Os Estadusunidos estavam somente esperando reduzir os gastos com o Iraque pra uma aprovação de invasão no Irã. Não se enganem, o bom moço do Obama está operando uma política internacional que já está traçada.

Ao final, vimos um acordo político que pode evitar uma guerra, realizado sem a presença de grandes potências, com países periféricos que deram um passo perceptível ao centro. Iniciativa de quem? Lula e sua equipe diplomática.

Virada
No momento a Europa tentava se levantar da crise econômica (de fato foi só uma marolinha aqui). Agora uma nova crise, cujo epicentro se deu na Grécia, balança todo o barco da CE. O desemprego na Europa está nos níveis de desemprego do governo FHC. A Europa não sabe governar sob condições adversas e não está fazendo o que precisava fazer.

Enquanto isso o Brasil se torna um negociador internacional de grande importância e financiador internacional. O risco agora é deixar de ser oprimido e ser um opressor.

domingo, 16 de maio de 2010

Sessão Iconoclastia

O medíocre Chico Buarque

Com freqüência preciso fazer viagens longas de ônibus. Nessas viagens costumo preencher meu MP3 player com muitos álbuns diferentes, artistas diferentes. De um tempo pra cá comecei a mudar. Escolhi um artista e mergulhei na sua obra. Pra ser um artista é preciso uma discografia longa porque a viagem dura 12 horas. Ouvi Milton Nascimento em uma e Beatles na outra. Posso falar deles depois.

Na terceira viagem peguei toda a obra de Chico Buarque. Fui ouvindo com o cuidado de quem aprecia coisa fina. O compositor de Geni e o Zepelin, Meu Guri e Construção tem obras monumentais. Músicas feitas para impressionar e fazer história. Mas essas são uma ou três, quando muito, em cada disco.

Fiquei surpreso ao perceber que a maior parte da obra de Chico Buarque é formada de sambinhas que passariam batido se não fossem de Chico Buarque. Chico é um sambista e suas valsinhas, suas músicas grandiosas são resultado de um trabalho extra de composição. Um esforço maior.

Nelson Motta (quero falar dele em outra oportunidade) em seu livro Noites Tropicais conta que, ainda muito novo, seu Chico já era considerado o gênio da música brasileira. Qualquer coisa que ele compunha se tornava patrimônio nacional. Vencedor de alguns festivais seu Chico já não estava vendo graça nas competições. Já pensava em não concorrer mas todos o levaram a inscrever uma música. Inscreveu Sabiá, uma música sem vida, saudosa que lembra a Canção do Exílio de Gonçalves Dias. Pois aclamaram a música como vencedora! E ela passou a frente de Pra não dizer que não falei das flores de Geraldo Vandré e uma das músicas mais cantadas do Brasil: Andanças.

Seu Chico, quando é brilhante, é parnasiano. Fica mexendo nos versos até alcançar o “verso de ouro”. O natural de Chico são os sambinhas. Ouvindo sua obra inteira, entre os picos de genialidade e suas composições de preencher disco, concluí que seu Chico está na média dos grandes compositores do Brasil. Ele é medíocre, mediano pra que eu não seja apedrejado.

Me soa muito diferente de Paulinho da Viola outro sambista de carreira longa que também começou jovem e também é um patrimônio nacional. Paulinho é despretensioso, sua música parece ser exatamente o que nasceu pra ser.

sexta-feira, 14 de maio de 2010

Já é sábado nas ilhas Samoa


Só pra lembrar que o planeta tem todas as horas. E eu ainda tenho horas de trabalho à frente.

quinta-feira, 13 de maio de 2010

Terremotos

Nunca antes na história desse planeta tinham-se observado tantos terremotos. Isso é verdade? Não sei mas vimos 5 grandes terremotos acontecerem em 4 meses. Não irei fazer uma lista dos desastres nem contabilizar os mortos. Só quero fazer uma reflexão.

Nosso planeta é uma crostinha sólida e o restante é rocha líquida. A gente vive na tampa da panela. Pior, a crosta é tão fina que é comparada à espessura da casca da maçã em comparação ao diâmetro dela.
Muito fino, não é?

É mais grave, em baixo da nossa casca de maçã há lava em alta pressão e alguns poucos pontos de saída. O que penso é que tememos a humanidade e suas bombas, tememos ameaças do espaço (raios cósmicos, meteoros, alienígenas) mas podemos ser surpreendidos com uma explosão maior que a soma de todos os vulcões.

Num instante tudo pode virar Pompéia.

quarta-feira, 12 de maio de 2010

Encaixe as situações e monte sua novela

A

Velho avarento e muito rico

Moça humilde do outro lado da cidade

Gêmeos idênticos, de personalidades muito diferentes.

Viagem a Itália

B

Velho morre e deixa herança

Bom rapaz se apaixona pela moça humilde

Um dos gêmeos desaparece

Empresa em dificuldade

C

Ex-namorada não permite o namoro

Descobrem que o bom rapaz e a moça humilde são irmãos

Mãe da ex namorada trama a favor da filha

Vice presidente (pode ser o gêmeo mau) da empresa sacaneia alguém pra se dar bem.

D

Descobrem que DNA é forjado

Velho rico reaparece e reafirma a herança.

Bom rapaz descobre sacanagem na empresa.

Moça humilde testemunhou tramóias mas perdeu a memória


E (Momentos decisivos)

Bom rapaz assume a empresa

Moça humilde casa com bom rapaz

Herança fica com moça humilde

Vilão morre

Vilão fica louco

Casamento

F

FIM

terça-feira, 11 de maio de 2010

Cegueira

Tudo bem que o cinema, a música, servem de escape para a realidade. Muita gente vê um filme, uma novela, ouve música para se alienar por algum tempo. Eu faço isso. Tem dias que ver um filme juvenil esdunidense é a dose que preciso para não pensar.

Mas o que acontece com o futebol é ridículo! Todos os noticiários voltados para o anuncio dos nomes da seleção brasileira de futebol. A cegueira é tanta que ninguém percebe que somente a palavra "seleção" não descreve a equipe. Meses de debate sobre os nomes que deveriam ser escolhidos. Entrevista ao vivo no telejornal de maior audiência do país. Esportes no jornalismo deveriam ficar restritos ao noticiário esportivo.

Como diz uma música do Ira! (nem tão famosa porque não entrou no acústico): Assim que me querem.

É assim que me querem
Sem que eu possa pensar

Sem que eu possa lutar
Por um ideal


É assim que me querem

A ver na TV todo sangue jorrar e ainda aprovar

A pena capital

segunda-feira, 10 de maio de 2010

Clandestinos

Hotel
Fiquei preso em Sinop porque os bancos 24 horas fecham as 21h. O hotel onde estou tem uma máquina de cartão que não funciona. Não pude pagar antes de amanhecer por isso fiquei preso ao hotel um dia a mais que planejei.

Sinop
O nome da cidade é uma sigla: Sociedade Imobiliária do Norte de Paraná. Só em Mato Grosso empresas dão nome a cidades. A ocupação dessa região, iniciada a 30 anos atrás, foi estimulada pelo governo militar e realizada pelas empresas ligadas ao governo. A vinda de migrantes do Sul tinha a função de ocupar uma área que julgavam vazia e branquear essa região do país. Essa idéia surgiu no tempo de Lei Áurea e se mantem até hoje na cabeça de alguns governantes.

Agronegócio
Por causa da malária muitos paranaenses e gaúchos desistiram e abandonaram as terras conquistadas. Outros foram assassinados por vizinhos mais poderosos e inescrupulosos. Alguns dos assassinos são a classe política de Mato Grosso até hoje. A soja que orgulha o estado gera riqueza tão concentrada como as terras agrícolas. Tem suas vantagens econômicas, fortemente subsidiadas pelo governo estadual e federal, e graves conseqüências sociais.

Maranhenses
Aquele estado lindo deve ser horrível de morar. Só posso concluir isso ao observar tantos maranhenses migrando para cá para viver nas piores áreas das cidades ricas, para serem explicitamente descriminados. Atualmente já existem empregos na construção civil para eles, mas no início eram tiradores de toco. O tirador de toco é o cara que vai no braço desenterrar as raizes e tocos de uma área desmatada. Trabalho bruto, muitas vezes escravizado. Mato Grosso é o segundo estado em casos de escravidão no Brasil.

Mano Chao
Quando o conheci, numa edição do Mondo Massari, na MTV, fiquei muito interessado no som do cara. A colagem de sons se reflete nos clips. A colagem e fragmentação reflete o conceito do cara. As pessoas sem pátria definida são fragmentadas. Fragmentado é esse post.
Maranhenses são clandestinos e quando sou obrigado a parmanecer numa cidade mais tempo que planejei também me sinto assim.


sexta-feira, 7 de maio de 2010

Encontro de Sementes

Estou num encontro de agricultores que trocam e comercializam sementes. Sementes de todos os tipos, principalmente florestais. Eles são protetores de nascentes, cuidadores da floresta e dos segredos de germinação que cada planta tem.
Admiro esse povo, gosto de estar com eles. Me sinto numa família diferente.
O encontro acontece numa das maiores cidades de Mato Grosso: Sinop. Mais de 100 mil habitantes numa cidade largamente espalhada. Lojas grandes, avenidas largas...
Mas logo ali, onde acontece o encontro, tem uma matinha, uma chácara. E lá encontrei esses seres engraçados.

























Gosto de primatas e conheci uma espécie que nunca tinha visto ao vivo.
Mato Grosso me oferece uma vida de verdade. A vida na cidade grande é cheia de valores irreais.
A vida acontece no chão, nas sementes, nos agricultores.

terça-feira, 4 de maio de 2010

Eu to cansado dessa merda

Eddie é uma banda olindense de longa data. Lançou um disco que considero o melhor da sua carreira. Bonito isso numa banda de mais de 20 anos. Vitalidade, criatividade e instigação.
Eu to cansado dessa merda é das mais dançantes do disco e fala do nosso descontentamento de forma muito direta.



E Karina Buhr é uma delícia.

segunda-feira, 3 de maio de 2010

Imperador da Terra*

Esse planeta precisa de soluções construidas num longo prazo. Os mandatos das repúblicas são curtos e a visão dos monarcas fica limitada às costuras dos parlamentos. Além disso estão totalmente descoordenadas. Veja a América Latina, quase toda alinhada à esquerda, mas há o Peru e a Colômbia que são mais bajuladores dos Estadusunidos.
Tenho soluções verdadeiras para dezenas de problemas internacionais. Quero pô-las em prática. Mas essas soluções não irão acontecer se eu for presidente, eu quero ser Imperador. Não do país, mas da Terra. Como não há outros candidatos eu sou o único. Conto com você para organizar essa eleição.

Acompanhe aqui a minha campanha e vamos construir uma humanidade atenta a ela mesma e ao planeta.

Não temam, tenho boas inspirações

*Essa sessão contem ironias e humor.

Ficha Limpa em votação amanhã

A campanha Ficha Limpa é uma iniciativa da sociedade civil para moralizar a política nacional. Parte de um princípio muito simples: quem está respondendo na justiça por algum crime não está apto a representar o povo em qualquer mandato.

Segundo o Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral serão impedidas de se candidatar:

Pessoas condenadas em primeira ou única instância ou com denúncia recebida por um tribunal – no caso de políticos com foro privilegiado – em virtude de crimes graves como: racismo, homicídio, estupro, tráfico de drogas e desvio de verbas públicas. Essas pessoas devem ser preventivamente afastadas das eleições ate que resolvam seus problemas com a Justiça Criminal; Parlamentares que renunciaram ao cargo para evitar abertura de processo por quebra de decoro ou por desrespeito à Constituição e fugir de possíveis punições;

Pessoas condenadas em representações por compra de votos ou uso eleitoral da máquina administrativa.

A proposta é tão clara e honesta que não deveria haver resistência. Mas sendo nosso Congresso do jeito que é, recebeu o desdém de muito deputadozinho cínico.

Apesar disso a pressão popular está grande. A intenção era alcançar um milhão de assinaturas nas ruas e já passam de 1 milhão e 600 mil assinaturas. Desse jeito vai ficar muito feio votar contra. O projeto de lei será votado amanhã e precisa da nossa vigilância.

quinta-feira, 29 de abril de 2010

Belo Monte, meio ambiente e a democracia falsa

Gerar energia com grandes obras, longe dos centros de consumo. Essa é a fórmula dos grandes contratos com empreiteiras. Atualmente temos tecnologia para produzir energia limpa em pequena escala, perto de onde ela será consumida.

O e
ngenheiro mecânico Fernandes Ximenes, cearense, desenvolveu o poste alimentado por dois tipos de energia limpa: eólica e solar. Veja ao lado.

Com a implantação desse equipamento nas cidades do pais economizariamos mais energia hidrelétrica que a produzida por Belo Monte. A economia também acontece na distribuição de fios, e acabaria o apagão. Uma lâmpada ou gerador limpo pode quebrar eventualmente, mas não os postes de uma avenida inteira.

E porque não acontece? As grandes distribuidoras de energia (Eletronorte, Chesf...) ganham com a dependência da sociedade da energia produzida por eles. Os acordos de concessão são prorrogados à vontade, de acordo com os acertos políticos. Essas empresas alimentam empreiteiras privadas que alimentam campanhas eleitorais.

Fechado o ciclo? Então qual o valor da biodiversidade, das culturas indígenas, do equilíbrio ambiental se acordos políticos e econômicos podem continuar sendo feitos com grandes obras? Nenhum.
Contra o meio ambiente e os povos indígenas toda sociedade se levanta. O povo fala do crescimento do país, a grandiosidade da pátria, argumentam que as obras gerarão empregos e votam nos políticos que fazem tudo da mesma forma. Justamente porque essa é a fórmula dos políticos manterem-se no poder.

Cemitério de árvores em pé, hidrelétrica de Balbina. O mau cheiro de árvores em decomposição durou anos.

quarta-feira, 28 de abril de 2010

Sessão Iconoclastia

Renato Russo

Sucesso dos anos 80, citado em provas de vestibular, Renato Russo tornou-se símbolo de uma poesia jovem. Representava a inteligência urbana e rock'n roll no Brasil. Foi com a Legião Urbana que muitos pais deixaram seus filhos se aventurarem pelo universo do rock. "Se rock é isso então pode".
Mas porque ele foi considerado inteligente? Junto com Humberto Gessinger (Engenheiros do Hawaii) foi autor das maiores baboseiras sem sentido. Baboseiras cantadas com orgulho de uma juventude cabeça (cabeça de minhoca).

Você, leitor de trinta e tantos, que vivenciou a febre Legião Urbana, que chorou amores perdidos bebendo vinho de segunda, deve estar me achando um boçal insensível.
Mas acompanhe uns trechos de Tempo perdido:

Todos os dias quando acordo
Não tenho mais

O tempo que passou

Mas tenho muito tempo
Temos todo o tempo do mundo...


Temos tempo ou não temos?

O que foi escondido
É o que se escondeu

E o que foi prometido

Ninguém prometeu

Nem foi tempo perdido

Somos tão jovens...


Conclusão?

Tem mais. Há tempos é tão sem sentido quanto algumas músicas do cearense Falcão.

Herdeiros são agora
Da virtude que perdemos...
Há tempos tive um sonho
Não me lembro, não me lembro...

Tua tristeza é tão exata
E hoje o dia é tão bonito
Já estamos acostumados
A não termos mais nem isso...

Os sonhos vêm e os sonhos vão
E o resto é imperfeito...

Lairton dos Teclados também teve um sucesso como esse: Morango do Nordeste. Um verso não tem nada a ver com o outro.

Enquanto isso, fazendo rock sem pretensão, estava Roger e seu Ultrage a Rigor. Visto como abobalhado e machista o Ultrage foi muito mais genuino em suas preocupações de "se dar bem com a mulherada" e se divertir. A banda fez o melhor rock da década com o disco "Vamos invadir sua praia".
Hoje em dia, entre Renato Russo e Roger, fico com Roger.

Cuidado, podem estar nos filmando

Stephen Hawking, O Cara, o físico sucessor da cadeira de Isac Newton em Cambridge deu uma declaração essa semana que deixou muita gente de cabelo em pé. Hawking disse que devemos parar de procurar contato com extra terrestres. Para ele a chance de encontrarmos é grande, mas não será bom para nós. Será tão ruim para nós como as grandes navegações foram para os nativos das américas.Eles querem nossas riquezas, nossa água, energia, querem nos estudar.
A suspresa é porque nossa mentalidade ainda "positivista" imagina que valores de honra e respeito sejam conseqüência de um desenvolvimento natural de seres inteligentes. Se os alienígenas são capazes de desenvolver técnicas de transmissão de dados pela galáxia à fora e ainda viajar por ela, possivelmente terão se desenvolvido em outros campos como a filosofia, a ética... Com isso chegariam respeitosos, buscando entender nossa espécie ainda no início de seu desenvolvimento.
Essa é uma visão humanizada e humanista. Sim, eles podem ser terríveis.
Mas podem ser Spilberguianos.

terça-feira, 27 de abril de 2010

Modinha

Calça com cintura alta é uma coisa que os estilistas adoram.
Dizem que modelam melhor, que está em alta, que é mais elegante...
Tenho três coisas a dizer: modela melhor quem tem corpo de modelo e elegância depende de um conjunto de fatores. Stephany (absoluta) usa e não salva o modelito.
A terceira é que estilista gosta de cintura alta, homem gosta de cintura baixa.

terça-feira, 6 de abril de 2010

A nave.

Vão aposentar o Discovery. Junto com ele se vai também a idéia de uma nave com personalidade que conquistou afeição das pessoas como os carros conquistam.
O ônibus espacial é uma idéia romântica de voo espacial. Como em Star Trek tinha a Enterprise, a NASA queria ter naves que vão e vem. Assim também seria mais barato que as naves descartáveis do período das viagens à Lua.

Que engano.

Os ônibus espaciais ficaram mais caros, pesados. Era preciso tanta manutenção a cada volta que tornava caro ir ao espaço.

O engraçado disso é que eu lembro do primeiro voo de ônibus espacial. Columbia, em omenagem a Colombo, o descobridor. A imprensa boquiaberta com uma nave que pousava como avião. E eu pensando: não foi sempre assim?

A idéia inicial era fazer muitas viagens. Mas viajar pra onde? Não era uma nave de pousar na Lua, não tinha estação espacial. O que tanto iam fazer lá? Experiências. Para os políticos ficou sem sentido manter o ritmo de viagens que havia. O governo estadunidense começou a cortar gastos.

O trambolho russo, a Soyus, é um modelo de 43 anos. Sofreu poucas mudanças desde o primeiro lançamento em 1967. A nave mais segura a viajar pro espaço. Os russos até tentaram um ônibus espacial, mas viram que não rola. É ela que vai continuar o trabalho de levar astronautas para a estação espacial internacional.Com isso podemos concluir que os russos venceram a corrida espacial antes mesmo da ida dos americanos à Lua. A tecnologia criada por eles é a que ficou.

sexta-feira, 26 de março de 2010

Beautiful world

Essa música tem um pouco do espírito do blog. Gosto muito dela.
Me pego cantando a toa.

Devo



Its a beautiful world we live in
A sweet romantic place
Beautiful people everywhere
The way they show they care
Makes me want to say

Its a beautiful world
For you, for you, for you

Its a wonderful time to be here
Its nice to be alive
Wonderful people everywhere
The way they comb their hair
Makes me want to say

Its a wonderful place
For you, for you, for you

Hey tell me what I see
Boy and girl with the new clothes on
You can shake it to me all night long hey hey

Its a beautiful world we live in
A sweet romantic place
Beautiful people everywhere
The way they show they care
Makes me want to say

Its a beautiful world
For you, for you, for you

Its not for me (Its a beautiful world)
For you (Its a beautiful world)
Not me (Its a beautiful world)
(Its a beautiful world)
Estou sentindo meu osso quebrado. Minha clavícula direita. Quebrei em uma das duas vezes que pilotei uma moto. As vezes a fratura fica viva, sinto um incômodo. Passa já.

Chemtrail

Tem uma música de Beck de que gosto muito: Chemtrail. Essa aqui.
Não conhecia a palavra e fui atrás. Meu espírito disperso e curioso me leva a vários becos.
Pois bem, chemtrail é uma junção de duas palavras: chemical + contrail.
Contrail é o rastro de aviões em altitude de cruzeiro.
Chemical = química.

Aí descobri que existe um movimento Stop Chemtrail. Gente que afirma que os aviões comuns de viagem são usados para dispersar poluentes de forma que não se percebam. Aí causam rastros mais largos e diferentes dos contrails.

Pode ser uma teoria da conspiração absurda (se a gente gosta os americanos adoram). Tinha gente que pensava que os foguetes furavam a camada de ozônio ao ir para o espaço. Pode ter gente com medo do rastro dos aviões também. Mas essas fotos me assustam.















Contrail



















Chemtrail

segunda-feira, 8 de março de 2010

Mudanças

Hoje mudei de sala.
Na minha sala ampla e clara nos fundos da firma eu ficava um pouco isolado. Tomei a sala do chefe e ele foi pra uma outra sala. O chefe curtiu.

Ontem mudei de rotina doméstica.
A patroa estudando na capital, eu aqui no interior.
Confiança um no outro e firmeza nos planos de crescermos juntos.

Mas a vida de morar sozinho não vai durar muito.

domingo, 7 de março de 2010

Começando

O ano custa em começar.
Mas já aconteceu muita coisa. Nada ainda que dê a cara do ano. Ainda parece transição.
Esse blog é algo que devia ter começado com o ano de 2010, mas ainda parece janeiro.
Tudo bem, começou.